Concessão do DAE: Prefeito espera que Câmara vote projeto em 60 a 90 dias


Após muita polêmica e onda de críticas de opositores, o prefeito de Várzea Grande, Sebastião dos Reis Gonçalves, o Tião da Zaeli (PSD), adiou o envio à Câmara Municipal da proposta de concessão do DAE (Departamento de Água e Esgoto).

Agora, a meta é conseguir a aprovação, no Legislativo, de um programa que prevê investimentos no setor e promover discussão com segmentos sociais.

"Vamos elaborar o plano municipal de saneamento que deve ser votado em 60 ou 90 dias pela Câmara Municipal. Depois, faremos três audiências públicas para discutir com a sociedade e segmentos envolvidos a proposta de concessão", comentou Zaeli, em entrevista.

Na última semana de janeiro, houve a convocação de uma sessão extraordinária na Câmara Municipal de Várzea Grande para votar o projeto de concessão do DAE.

No entanto, não houve votação por falta de quórum. Apesar disso, Zaeli nega que tenha solicitado a sessão extraordinária para colocar em votação o polêmico projeto de concessão e explica que o motivo foi outro.

"Com a extinção da Fusvag, nós precisávamos criar cargos dentro da estrutura da Prefeitura para absorver os funcionários e pagar a folha salarial de janeiro. Se não fizéssemos isso naquela semana, os funcionários não iriam receber seus vencimentos", disse.

Incapacidade
Zaeli declarou ainda que não observa capacidade do município em resolver o problema da falta de água nos bairros.

"Tenho a certeza que o poder público não tem condição para promover a melhoria no sistema de distribuição de água", declarou.

O prefeito saiu em defesa que a gestão do DAE seja feita pela iniciativa privada, citando exemplos que considera "exitosos" de privatização.

"Temos exemplos bem-sucedidos na telefonia e energia elétrica promovidas pelos governos federal e estadual. É uma alternativa, diante dos problemas enfrentados pela administração pública", disse.

Um dos argumentos para remeter a gestão do DAE à iniciativa privada são as altas dívidas que impedem uma capacidade de investimento mais ampla. Além disso, conforme levantamento do TCE (Tribunal de Contas do Estado), Várzea Grande enfrenta problemas de arrecadação fechando o ano com déficit (saldo negativo) nas contas.

"A demanda de abastecimento de água cresce desproporcionalmente e não é acompanhada pela capacidade de investimentos do poder público. Há uma capacidade financeira em Várzea Grande para resolver este problema. São necessários R$ 280 milhões para universalizar o sistema de distribuição de água e incapacidade financeira para resolver. Só com a Cemat, a dívida do DAE atinge R$ 88 milhões. Isso revela a incapacidade de investimento próprio", afirmou.

Família Campos
Zaeli ainda rebateu as críticas da família Campos, que condenou, publicamente, o projeto de concessão do DAE. O deputado federal Júlio Campos classificou-o de "estelionato eleitoral" e o senador Jayme Campos disse que havia cheiro de "carniça no ar".

"Qualquer denúncia tem que ser feita ao Ministério Público, que fica próximo à sede da Prefeitura, e não ficar divulgando conteúdo vazio pela imprensa", disparou o prefeito. Fonte: Midia News

Siga o Folha de Várzea Grande no Twitter: www.twitter.com/bomdiamt

Gostou? Compartilhe:

Um comentário:

  1. varzea grande,nao merece mesmo um adiministraçao asim. faça que nem cuiaba,vende por preço de banana.A cab ta louca para comprar,dai quem pagava 30,00 de agua vai pagar 130,00. e a qualidade da agua nao muda.sou de cuiaba e sou vitima desta manobra,o povo nao pode deixar vender o Dae.unica coisa varzea grande tem.

    ResponderExcluir