O responsável pelo fracasso de Várzea Grande. Quem?

A situação caótica de Várzea Grande é fruto da má gestão das administrações municipais que se sucedem ao longo do tempo? Qual a dimensão do estrago causado pelo governo Blairo Maggi, que não implantou nenhuma política pública de atração e sustentação do desenvolvimento econômico dos municípios da Baixada Cuiabana? Quem é o culpado pela situação de penúria da cidade "industrial"?


A população várzea-grandense teve sonegado o direito deste debate na campanha de prefeito ano passado. Faltou competência aos candidatos, um triste sinal de fraqueza da representação política municipal.


Quem sabe o tema seja enfim posto nas ruas em favor da população. Preferencialmente começando pelo senador Jayme Campos (DEM), prefeito por 3 mandatos, governador por um. Talvez ele tenha a coragem de assumir as culpas suas e de seu grupo, incluindo seu irmão Julio Campos, e também mostrar tudo o que o governador Blairo Maggi (PR) deixou de fazer por Várzea Grande. Seria um belo presente para a população da cidade em 2010, no aniversário de 143 anos. Por que este ano, visto o silêncio medroso dos políticos locais, já era.

15 DE MAIO, VÁRZEA GRANDE COMPLETA 142 ANOS

Desafio da atual gestão é tentar recuperar a receita que caiu muito em relação a Cuiabá e Rondonópolis, os principais pólos de MT


Atualmente vocação da "Cidade Industrial" está mais voltada ao comércio e prestação de serviço
O município de Várzea Grande comemora hoje 142 anos de fundação. As homenagens serão marcadas por shows, missa solene na Paróquia do Cristo Rei e desfile cívico que devem contar com a participação do prefeito licenciado Murilo Domingos e do vice Tião da Zaeli (ambos do PR).

Com 142 anos de fundação e 60 de emancipação política, Várzea Grande, cidade vizinha à Capital de Mato Grosso, tem atualmente como como principal desafio resgatar o título de "Cidade Industrial", obtido na década de 1970 e que vem perdendo a força devido ao crescimento de municípios do interior ligados ao agronegócio.

Apesar das festas, os desafios não são deixados de lado. O prefeito em exercício, Tião da Zaeli, citou ontem, por exemplo, que um dos principais obstáculos a serem superados é a retomada do desenvolvimento econômico.

Alega que nos últimos anos o poder público atraiu poucos investimentos da iniciativa privada. "A cidade não tem hoje recursos suficientes e a arrecadação é muito pequena", avalia.

A preocupação de Tião tem fundamento. O orçamento anual de Várzea Grande já foi equivalente a 50% da receita de Cuiabá, mas atualmente esse percentual caiu para menos de 30%, ou seja, cerca de 300 milhões.

O Fundo de Participação dos Municípios (FPM) referente ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) também vem caindo nos últimos meses devido à crise financeira.

Principal pólo industrial de Mato Grosso até o início da década de 90, Várzea Grande perdeu o posto para Rondonópolis, capital do agronegócio no Estado.

Separada da Capital somente pelo rio Cuiabá, o município continua sendo atualmente o segundo maior em número de habitantes com mais de 250 mil pessoas e continua preservando as características de uma cidade interiorana.

Comemorações - As comemorações de hoje têm início às 7h00, com uma missa na Paróquia do bairro Cristo Rei. Os principais eventos são também: o desfile cívico que ocorre a partir das 16h na Avenida Couto Magalhães e os shows que ocorrem a partir das 18h na Praça Áurea Bráz, na avenida Gonçalo Botelho de Campos, também no Cristo Rei.

Téo Meneses
Fonte: A Gazeta

Estatísticas apontam para retração da indústria em Cuiabá e Várzea Grande

Estatísticas apontam para retração da indústria em Cuiabá e Várzea Grande
A indústria sofreu uma retração em torno de 15% na última década em Cuiabá e Várzea grande, enquanto cresceu pelo interior de Mato Grosso. Essa informação está baseada em dados do livro “Estatísticas de Cuiabá e Várzea Grande”, recentemente lançado pela Assembleia Legislativa do Estado.


De acordo com obra, no ano de 1999 havia 2.951 indústrias extrativas e de transformação na Grande Cuiabál. Até 2005 esse número só veio decrescendo, chegando a 1.326 neste ano. A partir de então teve, novamente, crescimento, chegando, em 2007, ao número de 2.492, ainda inferior à soma de 1999.


O consumo de energia industrial, por exemplo, cresce cada vez mais, ano a ano, no interior do Estado, mas não na capital e na cidade vizinha. Os dois municípios também tiveram uma taxa de crescimento inferior ao restante de Mato Grosso.


Já as estatísticas de Mato Grosso, em geral, mostram o crescimento industrial do interior. Enquanto a grande Cuiabá teve a redução de indústrias, o interior teve um avanço de cerca de 45% entre os anos de 1999 e 2007. Naquele ano, a soma de indústrias extrativas e de transformação era de 11.427. Em 2007, passou para 16.563, em um crescimento sempre constante.


Responsável pela organização do livro, o professor Silvio Monteiro analisa que, apesar de Cuiabá estar próxima de completar os 300 anos, ainda possui uma baixa capacidade de planejamento. Para ele, um dos pontos que os dados mais evidenciam é a grande dificuldade que Cuiabá e Várzea Grande têm de pensarem juntas nos problemas e nas soluções, já que vivem lado a lado e funcionam, na prática, como uma só cidade.


O livro

O livro “Estatísticas de Cuiabá e Várzea Grande” traz estatísticas diversas e específicas sobre estes dois municípios, distribuídas entre 400 páginas. Segundo o presidente da Assembleia Legislativa, deputado José Riva (PP), o livro surgiu em função da dificuldade em se pesquisar dados específicos sobre as duas cidades. “A Assembleia resolveu fazer esse livro para facilitar a pesquisa, tanto do parlamento quanto da população em geral. A pobreza de dados que temos é preocupante”, diz Riva.


Fonte: Olhar Direto

Jovem que suicidou no Portão do Inferno era titular de empresa fornecedora da prefeitura de V. Grande

A jovem Eiko Nayara Uemura, 23, encontrada morta na quarta-feira (29.04),no Portão do Inferno, no Parque Nacional de Chapada dos Guimarães (45 km ao norte de Cuiabá), é a titular da empresa Eikon Atacado de Alimentos LTDA-ME – uma das cinco firmas de Júlio Uemura que fornece alimentos para merenda escolar para unidades de ensino municipais de Várzea Grande.


Inscrita na Junta Comercial de Mato Grosso, desde 13/09/2006, a Eiko Atacado está localizada na Rua da Fé, 77, Jardim Primavera, em Cuiabá -- e tem como sócia Priscila Escobar Paliano Alves. Eiko Nayara, no contrato social, possuía capital social maior do que sua sócia (R$ 45 mil contra R$ 5 mil, respectivamente).


Eiko era sobrinha do empresário Júlio Uemura, que está preso na Polinter, após ser denunciado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) como líder de uma organização criminosa especializada em aplicar golpes financeiros.

Segundo denúncia, Eiko era sócio-proprietária de várias empresas “laranjas”, entre elas a Eikon Atacado de Alimentos, também utilizada pela Organização Uemura para aplicar os golpes. Ela foi incluída no processo aberto pelo Ministério Público Estadual numa denúncia complementar. Seu envolvimento com a quadrilha foi comprovado, segundo o MPE, com a investigação de materiais apreendidos durante a realização da Operação Gafanhoto. Na ocasião, foram feitas 25 buscas e apreensões.


O grupo criminoso comandado por Júlio Uemura responde, judicialmente, na 15ª Vara Criminal, sob comando do juiz José Arimatéia Neves Costa, pelos seguintes crimes: estelionato, formação de quadrilha, corrupção, extorsão, falsificação de documentos, ameaça, crimes contra economia popular (monopólio no setor de hortifrutigranjeiro), tráfico de influência, corrupção passiva e corrupção ativa.

Cópia do cheque referente a pagamento

Empresa fornecedora da Prefeitura de Várzea Grande, entrega produto de má qualidade e ganha mais uma licitação


Depois ter fornecido carne estragada para a prefeitura municipal de Tangará da Serra, a empresa “S.M. de Almeida e Silva & CIA Ltda” venceu o Pregão Presencial nº. 08/2009, para eventuais aquisições de materiais de limpeza para atender todas as secretarias da prefeitura de Várzea Grande.
Conforme publicação do Jornal dos Municípios do último dia 28, a contratação se deu pelo valor de R$ 264.452,60. A empresa fornecerá ao município os seguintes itens: água sanitária de uso doméstico; limpador concentrado para limpeza pesada; álcool etílico hidratado; sabonete líquido em refil; limpa móvel; flanela média; papel toalha interfolhado e pá de lixo.

A reportagem do VG Notícias apurou – junto a Junta Comercial de Mato Grosso (Jucemat) – que a “S.M. de Almeida e Silva & Cia Ltda” não teve registro encontrado junto a instituição. Ela está localizada na Avenida Castelo Branco, nº. 1385, sala 5, bairro Jardim Imperador Várzea Grande e tem como sócio-proprietário Amílcar de Barros Silva (filho de João Bosco, ex- chefe de gabinete do então prefeito Jaime Campos).

Esse mesmo empresário, Amílcar de Barros Silva, também é dono da “ABS Comércio, Representações e Construção Civil Ltda ME” – companhia que foi contratada pelo Departamento de Água e Esgoto (DAE) para reforma de banheiros e construção de refeitório na sede administrativa. Ao que tudo indica, as duas empresas, embora com nomes diferentes, são uma única firma.


PREGÃO – O pregão presencial para aquisição dos materiais de limpeza foi realizado no último dia 13/04, às 9h. As demais empresas vencedoras são ‘Provel Comércio de Alimentos Ltda (EPP)’, no valor total de R$ 73.924,42; ‘Comercial Fakle Ltda’, no valor total de R$ 40.432,36; ‘Comercial Luar Ltda’, no valor do total de R$ 43.872,29; ‘Ativa Comércio e Serviços’, no valor total de R$ 56.289,56; ‘Ugolini e Cia. Ltda’, valor total de R$ 67.188,74 e ‘W.D.M. Comércio Serviços’ - no valor total de R$ 20.050,00.

por Antonielle Costa /Fonte: VG Notícias